Desativar Preloader

Temas essenciais para inovação são abordados no Encontro Fenabrave


.

Buscar soluções econômicas e propor um desenvolvimento alinhado à sustentabilidade foram abordagens de palestras no Encontro Regional Fenabrave, evento realizado entre os dias 17 e 18 de julho e voltado ao setor automotivo.

A energia solar fotovoltaica, por exemplo, é uma das alternativas energéticas mais promissoras do novo milênio. Entre os tópicos discutidos na palestra do consultor da Replace Consultoria, Ernani Wood, estão o histórico, formas de geração e distribuição e tipos de contratos de disponibilidade foram tópicos abordados sobre o assunto.

Com a energia solar cada vez mais acessível, aumenta também o interesse dos empresários por informações atualizadas. Segundo ele, a energia solar barateou mais de 60% em cinco anos e novas linhas de crédito surgiram. "Falamos de créditos disponíveis no Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico (BNDS) e existem incentivos fiscais por meio de descontos no ICMS. Porém, ainda é uma geração, mas que está crescendo. Existem vários projetos de investimentos na área, mais ainda é uma alternativa que faz cócegas na matriz energética geral”.

Outras considerações repassadas dizem respeito ao funcionamento dos sistemas geradores, equipamentos e sua durabilidade e os meios de ter a energia consumida numa empresa. Para o concessionário Antonio Menegassi, existem desafios, mas muitas oportunidades neste sentido. "As empresas precisam estar capacitadas para gerir custos e os próprios recursos enérgéticos. A energia elétrica é um custo muito alto. Quem tem energia solar agrega valor à sua marca. Eu saí da palestra já pensando em desenvolver um projeto", disse o empresário.

Mesmo com todas as intempéries, Wood destacou que a tendência é de crescimento nos investimentos que envolvem inovação e tecnologia.

Neste mesmo contexto, o palestrante Magno Lima falou sobre as transformações que empresas tradicionais precisam passar por conta da era digital. "Tecnologia está virando uma commodity. Não dá mais para pensar de maneira vaga. Tudo está acontecendo ao mesmo tempo. É como se não existisse mais limite para criação na 4ª Revolução Industrial", alertou. 

Também chamada de 4.0, a revolução acontece após três processos históricos transformadores. A primeira marcou o ritmo da produção manual à mecanizada, entre 1760 e 1830. A segunda, por volta de 1850, trouxe a eletricidade e permitiu a manufatura em massa.

E a terceira aconteceu em meados do século 20, com a chegada da eletrônica, da tecnologia da informação e das telecomunicações. “Na quarta, as principais características dessa transformação estão representadas pela junção de tecnologias e a velocidade (internet das coisas e inteligência artificial), causando impactos em todo negócio, desde a liderança - que deve estar sempre atualizada e responder rapidamente às mudanças - até o cliente, que estará mais exigente e participante em relação aos produtos ou serviços oferecidos”, contextualizou.

Após a palestra, o concessionário Manoel Guedes avaliou que “a dinâmica do mercado na quarta revolução industrial vai ser totalmente diferenciada — será marcada pela agilidade na informação, inovação e resposta da empresa ao mercado”.

A segunda edição do Encontro Fenabrave, com o tema "O Conhecimento acelera o progresso", ocorreu no Centro de Eventos do Pantanal e contou com a participação de mais de 300 pessoas. A realização é da Federação Nacional dos Distribuidores de Veículos - Fenabrave Regional Mato Grosso.  

Simone Alves 
Ass. de Comunicação 

.


Data: 24/07/2018
Autor: Fenabrave